Estreias de 'Skyfall' de Adele: nossas primeiras impressões

O tema de James Bond de Adele, Skyfall, caiu do céu ontem, trazendo consigo o hype, ou pelo menos a esperança, de que seria o maior tema de James Bond de todos os tempos. Será que deu certo? Eh. Aqui, cinco funcionários da Aulamagna lançam suas primeiras opiniões sobre a pista.

Christopher R Weingarten:
Eu não me importo que eles continuem reciclando aquele tema de John Barry (eu sou um otário por tradição), mas se você vai ser retromaníaco, pelo menos atualize-o para que não soe como o Bond Theme de 1995 de Tina Turner tentando ser Tema de Bond de 1964 de Shirley Bassey. Quero dizer, se houve um momento para Lana Del Rey deixar sua marca, foi esse, certo? Além disso, tem uma linguagem bombástica desconfortável que é basicamente Yesterday mais Dream On, o que era brega quando Eminem estava roubando há 10 anos. É a versão de Michael Bay de um tema de Bond, e estou meio que esperando um Transformer pisar no cassino e pedir um martíni a óleo. Se eu ainda assistisse a filmes de pipoca, chegaria tarde para perder isso.

Cris Martins:
Grande. Surgindo. E embora eu deteste usar a palavra mais usada no mundo, #EPIC. É meio intoxicante ouvir Adele soando tão triunfante, aliviada por seu próprio alcance emocional empaticamente mega-poderoso. Com toda aquela agitação orquestral massiva e vampiros vagamente enigmáticos, é inegavelmente Bond-y. Isso me lembra que sempre esqueço que realmente gosto desses filmes, mesmo que os temas tenham aumentado e diminuído em termos de qualidade ao longo dos anos. Isso me agarra, e é isso que esse material superproduzido de Hollywood deve fazer, certo? Não há queixas aqui.



David Marchese:
Meu momento favorito em qualquer música de Adele é a pequena falha em sua voz em 1:29 em Someone Like You quando ela chora Aw, querida e você ouve o coração dela partir, mesmo que apenas por um segundo. É devastador. Continuo esperando Skyfall detonar da mesma forma, mas a música é um pavio úmido. Talvez seja porque, como todas as músicas-tema de Bond, não é realmente sobre nada além de seu próprio Bondness suave. (Essas cordas! Martinis! Esse metal! Smokings!) Não há nada liricamente para Adele se agarrar. Não sei por que você faz essa mulher cantar essa música quando tudo o que a música pede para ela fazer é ferver. Oh espere. Sim eu quero. Ela é loucamente bem-sucedida. Como eu tenho certeza Queda do céu vai ser. Como essa música não é. O que é praticamente fora do ponto com essas coisas.

Carlos Arão:
Desde a primeira nota, tudo que eu conseguia pensar era em Amy Winehouse. Como ela deveria fazer o Quântico de consolo tema, mas teve uma briga estúpida com Mark Ronson e ele se fodeu supostamente devido às travessuras erráticas dela. Como nenhuma cantora das últimas duas décadas era mais adequada para ser a próxima Shirley Bassey/Bond Theme do que Amy. E como Adele, com a música errada, no cenário errado, inegavelmente soa como uma Amy milquetoast, segura para levar para casa. E como não há nada particularmente errado com Skyfall, exceto o estranho tilintar no final da frase We will stand tall, mas como ele nunca se eleva à grandiosidade teatral, que é o ponto principal de um tema de Bond, e que é o que fez o filme de Adele Rolling in the Deep e Someone Like You deixam a América tremendo de joelhos. Então... eh. Ainda sentimos falta do seu rabo errático, Amy.

Brandon Soderberg:
Há alguns vampings de Shirley Bassey com cara de po de Adele que é legal, e todas as peças se encaixam bem, atingindo um tom febril educado três minutos depois, e depois levando seu bom e velho tempo - quase mais dois minutos - para acalmar, mas onde está o campo? Sempre sério, Adele perde o ponto de que isso é tudo para algum melodrama de ação e aventura, e você não sabe, algo tão arriscado. Então, novamente, esse é o problema com esses filmes recentes de Daniel Craig também, não é? Fazem muito sentido. São como filmes normais. E assim, Skyfall está na tradição de interpretações recentes e erradas de Jack White e Alicia Keys, e Sheryl Crow em vez de, a nova onda hammy do Duran Duran, como A View To Kill, o aspirante a Aphex Twin Windowlicker de Madonna. Die Another Day, ou até mesmo Wings que te deu um bom rumble de rock n' roll idiota que vive até hoje, praticamente separado de Viva e Deixe Morrer , o filme de 007 que fez trilha sonora. Além disso, há algo meio absurdo na famosa Adele de coração partido cantando o tema de um filme sobre um espião mulherengo, certo?

Sobre Nós

Notícias Musicais, Críticas De Álbuns, Fotos De Concertos, Vídeo