Jason Derulo está de olho no trono do pop

Jason Derulo é, antes de tudo, um editor. O nativo de Miami de 25 anos edita seu torso em uma rotina de ginástica tão rigorosa que ganhou ele a capa de Painel publicitário A questão do corpo. Ele editou seu sobrenome foneticamente para que sua jornada até o topo nunca seja interrompida por alguém digitando Desrouleaux ou perguntando como pronunciá-lo novamente. Ele até pede para ver a câmera do fotógrafo algumas vezes durante nossa entrevista.

Você acha que a merda não vai a lugar nenhum e então a pior imagem circula como um filho da puta, explica Derulo. É tipo por que diabos você postaria isso? Fora todas as fotos. Então toda foto tem que ser foda.

E o mais novo (e melhor) álbum da estrela pop Tudo é 4 leva 39 minutos ágeis e aerodinâmicos para executar todos os seus ganchos de titânio e truques auditivos através do seu continuum mente-corpo. Como seu próprio sistema digestivo exigente, ele não permitia nenhum lanche, pequenas trapaças estranhas ou indulgências. São 11 refeições quadradas, todas prontas para rádio, tudo muito melhor para você do que uma campanha astuta para ser o melhor em tudo sugeriria. (Exceto talvez Trocar Corações.)



A sintaxe interessante de seu single de sucesso, Want to Want Me (como em You're the one I want to want me) é voltada para uma garota (ele contou Tempo que cada música deste álbum é sobre alguém), embora tenha uma sensação de campanha. Ele quer que nós o queiramos, um tropo pop que já ouvimos antes, embora na minha primeira tentativa de entrevistar Derulo, por telefone, ele alegou ignorância quando perguntado sobre o Golpe de truque barato . Ele estava a caminho de A próxima Top Model da América Alemanha e manteve nossa ligação conectada enquanto ele me passava por um scanner de bagagem. Ouvi alguém perguntar se ele tem um laptop. Rubor mais distorcido. Não há dúvida de que ele poderia transformar os vários música concreta desta troca em ganchos.

A segunda vez que falamos é na sede da Warner Brothers, em uma espécie de sala de estar confortável, ao lado de uma mesa de pebolim, no dia anterior Tudo é 4 é libertado. Minha resenha do álbum foi ao ar no início do dia, e Derulo está editando este . Eu senti como se fosse apenas jab após jab após jab. Tipo, eu pensei que você fosse a pior crítica que eu já vi até agora, ele me diz, tentando puxá-la para o telefone. (dei-lhe um 8 de 10 e chamou-o de álbum pop do ano .)

Ele mencionou principalmente, tipo, letras da quarta série, e Michael Jackson estando a eras e eras de distância. Foram apenas golpes desnecessários, diz ele. Temos que concordar em discordar sobre a esperteza de vincular o conteúdo lírico juvenil de sua Summer of Ass-definindo 2014 atingiu Wiggle para o flauta doce por trás dele, um instrumento tipicamente ensinado no ensino fundamental. Mas você não deixou isso claro, não do jeito que você escreveu! ele diz. Seus olhos são gigantescos.

Depois de algumas idas e vindas em que surpreendo até a mim mesmo, chegamos a uma distensão em que não estou convencido de que ele entenda que uma resenha não é um comunicado de imprensa, mas ele parece perceber que sou fã.Quando eu ouvi você cantando letras de músicas, ele observa - me pegou cantando junto Tudo é 4 pelo aparelho de som quando sua equipe chegou — Parece que você ouviu o álbum e passou algum tempo. Essa troca é muito mais educada e caridosa do que parece, mas tão intensa quanto.

Gosto de ouvir o que os outros têm a dizer, cede Derulo. Não que isso realmente importe, porque você sabe no final do dia, eu sou realmente bem sucedido.

Um garoto auto-descrito das artes que descobriu Michael Jackson aos quatro anos e passava horas na frente da TV tentando imitar seus movimentos de dança, Derulo foi rapidamente matriculado em acampamentos de verão e escolas de artes cênicas, estudando música clássica e aprendendo piano (teoria musical como o costas da porra da minha mão, ele diz), até mesmo música de leitura à primeira vista em competições nacionais. Ele pensou que seria famoso aos oito anos, quando escreveu sua primeira música, Crush on You, para uma garota chamada Amy Hume. Na sétima série ele estava em um grupo de dois cantores e um rapper chamado JDX com dois colegas de classe, DeAndre e Xavier. Eles praticavam todos os dias depois da escola por ordem de Derulo, mas não queriam ser ouvidos tanto quanto eu. Ele tratava cada show de talentos como se fosse sua grande chance.

Nós íamos a boates, eu e dois primos meus que são gêmeos, diz Derulo. Meu irmão estourou os cartões de crédito para tentar parecer famoso. Ele ia ver DJs diferentes e tentava fazer parecer que eu já estava tocando, para que quando eu lhes desse o CD, eles levassem a sério. Nós literalmente íamos a todos esses clubes diferentes e passávamos o CD para o DJ, uma música chamada 'Hush'. Tentei criar um burburinho e então consegui colocar Pitbull nela. Eu devia ter 16 ou 17 anos. Eu não estava fodendo ninguém.

Seu MySpace começou a ganhar força e então ele recebeu ligações para escrever para Birdman, Cassie, Diddy's Fazendo a banda série, e - sendo Miami - o próprio Pitbull. Derulo começou a acumular seus próprios hits depois que seu próprio Whatcha Say foi recusado por Sean Kingston, com Derulo até imitando o patoá de Kingston na demo. Vários sucessos nas paradas (Ridin' Solo, It Girl, Don't Wanna Go Home) se acumularam ao longo de dois álbuns, mas a presença real de Derulo tornou-se mais conhecida por sua prática de cantar seu nome como introdução para músicas. Até se tornou uma espécie de Meme do Bob Dole quando um YouTuber se uniu uma hora inteira de Derulo cantando seu próprio nome .

Tantas pessoas fizeram isso e têm as etiquetas, diz ele, tentando não parecer que ele é questionado sobre isso todos os dias. Você poderia descer a lista de Akon e Lady Gaga para Usher, mas por algum motivo [ canta ] ‘Jason Derulo’… talvez o jingle estivesse certo, mas acabou se tornando a maior merda do mundo.

Sentindo a possibilidade de ofuscar as próprias músicas, Derulo proibiu The Jingle de seus dois últimos discos, embora Meghan Trainor tenha implorado a ele para deixá-la fazer isso em seus dois últimos álbuns. Tudo é 4 colaboração Painkiller. Ele recusa a sugestão de que um cantor convidado diferente deve seguir a tradição em cada álbum futuro, como os temas de abertura de Ervas daninhas ou O fio : Ela é a última.

Seu interesse por colaboradores cresceu, a partir da cavalgada de rappers excitados (Tyga, Snoop Dogg, 2 Chainz) em 2014 Falar sacanagem , para colaboradores tão variados quanto Jennifer Lopez, Keith Urban e Stevie Wonder, os dois últimos aparecendo na mesma faixa, Broke.

Um cara que diz coisas como Compor é um músculo, Derulo admira o país por seu ofício e utilizou as habilidades de Urban como tocador de banjo, enquanto Wonder foi escolhido por suas famosas habilidades de gaita. Uma coisa que não é tão absurda sobre Derulo é sua afirmação de estar repopularizando o refrão instrumental ao vivo. Falar sacanagem continha não apenas aquele gravador no Wiggle, mas trombetas reais no Trumpets (pegue isso, Experimento social ), e mais famosa uma quebra de trompa cigana Klezmer sampleada do saxman Balkan Beat Box Ori Kaplan em Talk Dirty.

Eu peguei a batida [Talk Dirty] e escrevi para ela na primeira noite, ele lembra. Não gostei do que escrevi e não costumo escrever duas músicas em uma batida. Uma vez que eu faço isso, eu simplesmente paro. Mas por algum motivo, no dia seguinte, tentei novamente. Não sei se foi falta de batidas naquela noite ou o que foi, mas tudo encaixou na noite seguinte. Eu sabia que era especial.

A influência da música pode ser sentida em Vale a pena por Fifth Harmony, que vira uma amostra quase idêntica sobre a qual Derulo tem sentimentos mistos.

Eu amo Fifth Harmony, ele diz. Não tenho nada negativo a dizer sobre eles. Por outro lado, Stargate… Sim, vou deixar isso pra lá. (O próprio Kaplan co-produziu a música com Stargate.)

É menos que Derulo afirme ter, sozinho, trazido drops instrumentais em grande estilo (eles estão surgindo desde pelo menos Yakety Yak) do que seu interesse sério em (sem trocadilhos de Wiggle aqui) o back-end de suas músicas, bem como a frente: cada som em 2014, Bubblegum veio da boca de Derulo, enquanto Get Ugly do novo álbum alista seu segurança Big Mac para o gancho. Sem medo de deixar a música falar, os pontos de referência musicais de Derulo se tornam um jogo totalmente diferente: Get Ugly na verdade não sampleia Bo Diddley como seu refrão tosco e tosco sugeriria, enquanto Try Me, uma atualização caribenha dos acordes Sexual Healing, na verdade tem um crédito de Marvin Gaye, embora em um mundo pós-Blurred Lines, talvez as pessoas tenham aprendido a não foder com a família Gaye. Try Me apresenta um vocal arrebatador da própria Jennifer Lopez, a quem Derulo descreve como um amor absoluto.

Ela é uma das minhas pessoas favoritas, ele jorra. Sem ego, a garota mais legal do mundo. Dançamos a noite inteira. Aquele tem uma vibe caribenha que nos lembra de nossas raízes e de onde somos. É J. Lo, mano.

Entre Lopez e Wonder (não apenas o fato de que eu pude vê-lo trabalhar e fazer suas coisas, mas o fato de que ele estava trabalhando em um disco que eu fiz), a lista de desejos de Derulo está ficando bastante limpa. Não é surpresa que ele descreva livremente Michael Jackson e Prince como suas maiores influências, o que é facilmente discernido em Get Ugly e X2CU, respectivamente.

Você definitivamente ouve isso mais do que nunca neste álbum – você sabe, esse falsete, ele diz.

Quando pergunto a ele se é mais difícil escrever uma música de amor séria do que fazer, digamos, Wiggle, ele responde, acho que qualquer música boa é difícil de escrever em algum aspecto. É apenas difícil fazer alguém sentir algo. Esse é o objetivo principal. Como você faz alguém querer se levantar e dançar? Como você faz alguém se sentir bem após a separação? É como um filme. É uma comédia mais fácil de fazer do que um filme de garotas?

Wiggle levou uma semana, diz Derulo. A melodia era incrível e começou com 'Você sabe o que fazer com aquele grande caminhão preto...' Caminhão ?

Pau grande e preto, ele diz sem perder o ritmo, o que faz a sala explodir em gargalhadas. Mas veja, o fato de você não saber o que é significa que não é bom. Demorou semanas para descobrir qual linha era poderosa o suficiente para carregar aquela melodia, porque há aquela pausa. O que é grande o suficiente para você fazer essa pausa grande?

Com mais interação de duplas femininas do que nunca (seu ex Jordin Sparks foi o único em seu último álbum), Tudo é 4 atenua o fervor comercial um pouco para um toque pessoal em lamentos problemáticos como o invulgarmente específico Cheyenne, que está ligado à frase Eu nunca quis me apaixonar.

[O álbum é sobre] relacionamentos fracassados ​​e novos relacionamentos na minha vida. Apenas aprendendo com os erros e minhas quedas, aprendendo a aproveitar a vida e tentando encontrar um equilíbrio, explica Derulo. A vida joga bolas curvas… Estou apenas tentando continuar no mesmo caminho. Sinto que meu crescimento tem sido consistente, e tem sido o aumento mais estranho, mas não vou parar.

E o título, que parece que está faltando uma palavra?

'Tudo são quatro' é uma frase que foi cunhada antes de mim, diz ele. Quatro é um número de conclusão. Quatro é um número que está literalmente ao redor. Quatro pernas em uma cadeira, para mim, representam uma base forte e sempre saber de onde venho. Também quatro estações, quatro estados de noite. Representa a mudança e ser capaz de aceitar a mudança. Mas também, o duplo sentido é que tudo é por uma razão. Tudo é para minha mãe. Tudo é para minha família. Tudo acontece por uma razão.

Mas não para se aprofundar muito, Derulo rapidamente começa a solicitar minhas ideias para o segundo single: O problema é que não há uma música clara no momento.

Ele já gravou um vídeo para Cheyenne, enquanto o Big Mac favorece o squelchy Pull Up, um digno e excitado sucessor de Wiggle. Ele está pensando em jogar uma moeda. Eu sou parcial para o riff de pinball de Get Ugly e o salto do Pacífico de Try Me. Ele balança a cabeça para mim. Você deve ter a resposta. Veja, você me deu, tipo, quatro músicas, você nem sabe. Tudo bem, eu também não tenho a resposta. A dupla de J. Lo está acumulando visualizações, então ele pensa muito sobre o jogo que mais quer ganhar.

Ficaria no rádio, certo?

https://youtube.com/watch?v=4OeP53BeYPs

Todas as fotos de Jason Shaltz para Aulamagna.

Sobre Nós

Notícias Musicais, Críticas De Álbuns, Fotos De Concertos, Vídeo