Crítica: Janet Jackson está fazendo música mais sexy do que nunca em 'Unbreakable'

8Avaliação da Aulamagna:8 de 10
Data de lançamento:02 de outubro de 2015
Etiqueta:Nação do Ritmo / BMG

Fan fiction: É 1985, e Janet Jackson com bochechas de maçã empoleirada em uma cadeira em frente ao pai. Você poderia ser grande como Madonna, diz ele. Por dentro, a Srta. Jackson está gritando – com ele, com todas as mãos constantemente arranhando e tentando arrancar qualquer pedacinho dela. Sua voz é suave quando ela fala. Eu serei maior que Michael, ela diz, antes de despedir seu pai e voar para Minneapolis para trabalhar com Jimmy Jam e Terry Lewis, associados da única competição de Michael, Prince.

Louco pensar que já se passaram quase 30 anos desde que Janet Jackson dançou sob a sombra de Madonna e seu irmão mais velho Michael quando ela lançou o revolucionário Ao controle . Era seu terceiro álbum de estúdio, mas parecia sua estreia. Claro, o sorriso que derrete a neve ainda estava lá, mas ela estava falando sério sobre sua merda. Em vez de luvas com lantejoulas de strass ou pilhas de pulseiras de gelatina, ela vestia conjuntos totalmente pretos geralmente com um blazer. A perma-cabeceira e o cinto de brinquedo de menino de Madonna eram sexualmente sofisticados e, portanto, principalmente confusos para as alunas do ensino fundamental, mas a partir do minuto em que Janet latiu, me dê uma batida, não houve engano em sua mensagem. As meninas não eram um jogo para ser jogado.

Quanto mais velho você fica, menos compelido você se sente a se afirmar o tempo todo, e é provavelmente por isso que os álbuns de Janet - incluindo Inquebrável, seu recém-lançado 11º – passaram a soar mais sem esforço e também mais sexy. Eu vivi meus erros, é apenas uma parte do crescimento, ela canta na faixa de abertura antes de encolher os ombros e se reclinar em uma tarde de domingo alegre e alegre.



Graças a Deus a turma - Jimmy Jam, Terry Lewis e Ms. J - estão de volta juntos novamente . Todos os três produzem o álbum inteiro, com ajuda aqui e ali de Dem Jointz (que comandou o destaque Genocide, entre outras faixas, no álbum de Dr. Compton ). Apesar de todas as críticas de que ela não pode cantar que tem perseguido sua carreira, eu realmente prefiro os vocais de Janet suaves como em Black Eagle. Sobre Inquebrável ela ocasionalmente deixa cair seu registro em uma música como The Great Forever, onde o resultado soa tanto como Michael que é inquietante e meio assustador. Principalmente, o trio mantém tudo super divertido, mas na reunião de família se arrasta apenas algumas músicas por muito tempo.

Mas chega de picuinhas; Inquebrável também entra com um novo candidato para a corrida Banger of the Year 2015 com Dammn Baby, que é tão ritmicamente contagiante que não pude deixar de dar dois passos com uma faca na mão enquanto fazia salada de frango na cozinha. A noite formigante em breve será um novo grampo pós-desfile do Orgulho. E No Sleep, mesmo com o (que Deus o abençoe) não remotamente sexy J. Cole, é um clássico certificado de tempestade silenciosa.

No entanto, a melhor coisa sobre Inquebrável é que prova que Janet ainda pode nos surpreender. Quem a imaginaria calçando um par de botas e Wranglers com corte de cowboy para cantar Lessons Learned, uma balada country sobre co-dependência? Ou que ela e os meninos estariam cheios Nashville e deixar uma guitarra de aço chorar e um pouco de sotaque enrolar as bordas de sua voz em Well Traveled (e que a coisa toda funcionaria!)?

Por outro lado, em 1986, ninguém esperava que a doce Janet com cara de bebê mandasse, batesse a porta e rosnasse na cara de algum idiota, Não, meu primeiro nome não é 'baby', é Janet, Miss Jackson se você' é desagradável. Do som descontraído de Inquebrável , ela não se encaixa mais assim, mas ainda não recomendamos experimentá-la.

Sobre Nós

Notícias Musicais, Críticas De Álbuns, Fotos De Concertos, Vídeo